x

x

Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''  

sexta-feira, 11 de abril de 2014

As bonecas (os) - Parte 5

ARTE AFRICANA - BONECAS ABAYOMI.  A PALAVRA ABAYOMI TEM ORIGEM INCERTA, IORUBÁ, SIGNIFICANDO AQUELE QUE TRÁS FELICIDADE OU ALEGRIA, OU AINDA, '' MEU PRESENTE ''.  ABAYOMI QUER DIZER ENCONTRO PRECIOSO: ABAY=ENCONTRO E OMI=PRECIOSO.  O NOME É COMUM NA ÁFRICA DO SUL, MAS TAMBÉM É ENCONTRADO ATÉ O NORTE DA ÁFRICA E NO BRASIL.  NO BRASIL, DESIGNA BONECAS DE PANO ARTESANAIS, MUITO SIMPLES, A PARTIR DE SOBRAS DE PANO REAPROVEITADAS, FEITAS APENAS COM NÓS, SEM O USO DE COLA OU COSTURA E COM O MÍNIMO USO DE FERRAMENTAS.  CONTA-NOS A HISTÓRIA QUE OS NEGROS CONFECCIONAVAM ABAYOMIS COMO AMULETO DE PROTEÇÃO ESPIRITUAL.  EM VIAGENS PARA O BRASIL, OS NAVIOS NEGREIROS, DURANTE O TEMPO DA ESCRAVIDÃO, AS MULHERES RASGAVAM A BARRA DA SAIA E FAZIAM ABAYOMIS PARA AS CRIANÇAS BRINCAREM.  BONECAS SEMPRE NEGRAS, REPRESENTANDO PERSONAGENS, DE CIRCO, DA MITOLOGIA, ORIXÁS, FIGURAS DO COTIDIANO, CONTOS DE FADAS E MANIFESTAÇÕES FOLCLÓRICAS E CULTURAIS.  A HISTÓRIA DAS BONECAS ABAYOMI, COMEÇOU COM LENA MARTINS, ARTESÃ DE SÃO LUIZ DO MARANHÃO, EDUCADORA POPULAR E MILITANTE DO MOVIMENTO DE MULHERES NEGRAS, QUE PROCURAVA NA ARTE POPULAR UM INSTRUMENTO DE CONSCIENTIZAÇÃO E SOCIABILIZAÇÃO.  LOGO, OUTRAS MULHERES, DE VÁRIAS GERAÇÕES, VINDAS DE VÁRIOS MOVIMENTOS SOCIAIS E CULTURAIS, APRENDERAM COM ELA, JUNTARAM-SE NO RIO DE JANEIRO A COOPERATIVA ABAYOMI, EM DEZEMBRO DE 1988, DANDO CONTINUIDADE AO TRABALHO DESDE ENTÃO.  A COOPERATIVA ESTIMULA AS RELAÇÕES DE COOPERAÇÃO E GENEROSIDADE, O FORTALECIMENTO DE AUTO-ESTIMA E RECONHECIMENTO DA IDENTIDADE DE AFRO-BRASILEIRA DE NEGROS E DESCENDENTES, BUSCANDO SUPERAR AS DESIGUALDADES DE GÊNERO, INTEGRANDO A MEMÓRIA CULTURAL BRASILEIRA.  '' CONSIDERADO UM AMULETO PARA TODOS NÓS ATÉ HOJE, ESSAS BONECAS ASSIM COMO OS VODUS HAITIANOS SÃO CRIAÇÃO DE UMA CULTURA MILENAR.

Nenhum comentário:

Postar um comentário