..

..

Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''  

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

A Contestação Juvenil - Parte 7 ( Pausa )

A "guerra fria" começaria a suavizar-se nos anos 60, após a ascensão política de Nikita S. Kruschev ( 1894-1971 ) na União Soviética e com a eleição de John F. Kennedy ( 1917-1963 ) _ " um político jovem " - como presidente dos Estados Unidos.   A " guerra fria ", cujos anos mais violentos foram de 1947 a 1957, aproximadamente, começou a ser substituída pela chamada " coexistência  pacífica ", entendida como uma mútua tolerância dos sistemas capitalista  e comunista, que implicou o afastamento das fricções diretas para zonas geograficamente afastadas, sobretudo da Ásia e da África.   Na segunda metade dos anos 50 se notava no interior dos países socialistas um desejo de maior liberdade e menor dirigismo e, paradoxalmente, nos países capitalistas, um ressurgir dos ideias socialistas, principalmente na França e na Itália.   A juventude das nações meridionais europeias abandonava progressivamente o seu moralismo de caráter mais ou menos existencialista para adotar atitudes claramente políticas, de tipo socialista.    Paralelamente se notava na arte uma substituição do vanguardismo individualista pelo chamado realismo social ou o neorrealismo.   Porém, apesar da maioria dos arautos destas atitudes e teorias serem jovens, não se pode falar ainda de movimento juvenil propriamente dito, pois se trata de atitudes implicitamente tradicionais na Europa.    Por outro lado, se deve falar de " juventude " quando nos referimos à geração artística norte-americana beat, ou à geração social resultante desta, a beatnik, ou a dos " jovens irados " ( angry men ) britânicos, pois como veremos, trata-se de novas alternativas lançadas por indivíduos quase sempre menores de trinta anos de idade.   Em relação ao processo histórico apontado até aqui, poderemos resumi-lo afirmando que a " guerra fria " manteve a letargia da juventude; só com a sua liquidação pôde verificar-se a rebelião dos jovens como força não desgastada pela violenta oposição verbal havida entre Leste e Oeste.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário