Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''   

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Sexo, drogas e Rolling Stones _ Histórias da banda que se recusa a morrer. Parte 33 ( pausa )

Na verdade, Ron sonhava em ser um Rolling Stone desde que vira a banda em ação no Richmond Jazz and Blues Festival, em 1964.   Saiu daquela apresentação prometendo a si mesmo: " Um dia ainda vou tocar nessa banda ".   Levaria mais de uma década para transformar o sonho em realidade, depois de receber o convite de Mick Jagger para ser o novo guitarrista da banda, em substituição a Mick Taylor.    Em 1974, Wood deu o primeiro, maior e mais importante passo naquela direção, ao acolher Keith Richards em sua casa durante os quatro meses que os dois levaram para gravar no estúdio caseiro de Wood o primeiro álbum solo de Ron, I've Got My Own Album To Do.    Mick Jagger também participou das gravações _ ajudou a compor " I Can Feel The Fire " e, de quebra, adicionou vocais de apoio imediatamente reconhecíveis.  Ron retribuiu a gentileza e Jagger e ele prepararam juntos a primeira encarnação de " It's Only Rock and Roll ", com palmas e vocais de fundo cortesia de David Bowie.    Wood jamais receberia crédito pela ajuda na composição do que se tornaria um clássico, mas, solidificada a amizade e a afinidade musical com Keith _ e Mick _ ao longo da gravação, Ron sabia que integrar a banda dos seus sonhos era uma mera questão de oportunidade e tempo.    E, quando o guitarrista Mick Taylor saiu dos Stones, aconteceu _ ainda que a adição de Wood à banda fosse considerada, aquela altura, uma substituição temporária.    Ron só relaxaria em 1976, depois de efetivado como membro oficial dos Rolling Stones, banda de onde nunca mais arredou o pé.    Músico e pintor, cuja arte pôde ser vista no Brasil tanto nos palcos quanto em galerias ( ele expôs em São Paulo, em 1996 ), recentemente Ron publicou sua autobiografia ( Ronnie, St. Martin's Press, New York, 2007 ).    Quem sabe agora a escrita não se torne mais uma de suas paixões...    " Nunca mais meu pai me chamou apenas de Ronnie.   Virei ' Ronnie Wood, dos Rolling Stones. "

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá querido (a) leitor, seu comentário é muito importante. Este espaço é seu. Lembre-se: Liberdade de expressão não é ofender. Vamos trocar ideias, as vezes podemos não concordar, é natural; afinal tudo depende da visão de cada um; mas respeitar é fundamental, isso é uma atitude inteligente. O que vale mesmo é a troca de informação e com educação. Por favor: Leia antes de fazer seu comentário, os comentários do blog são moderados, só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo, comentários anônimos não serão publicados, não coloque links de artigos de seu blog nos comentários, os comentários não refletem a opinião do autor. Espero que goste do blog, opine, comente, se expresse! Vale lembrar que a falta de educação não é aceito.