Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''   

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

As bonecas (os) - Parte 6

As bonecas de pano, eu acredito que mais tem a ver com uma expressão da arte popular que predomina aqui no Brasil; talvez por ser bonecas de fácil acesso, por ter o mínimo de custo.   A parte 5 " As bonecas (os) ", comentei sobre as  " Abayomi " que cita a Arte Africana.   No Brasil as crianças brincavam com bonecas de indústria doméstica, precária e tradicional, enquanto as crianças da corte brincavam com bonecas importadas.   A importância de estudo do objeto lúdico no Brasil foi revindicado por Tisuko Morchida Kishimoto , no texto ela diz que no"" O Brinquedo na Educação: Considerações Históricas " (1995) onde a autora comenta a inexistência de estudos sobre a história e evolução dos brinquedos nesse país, de modo que ela adota a postura de se basear nos trabalhos franceses sobre o assunto; ela diz que a boneca ganha terreno por revelar o papel social da mulher; porém também é forte a presença de bonecos representando guerreiros e divindades.   A influência e relevância dos objetos, remetem a João Amado (2007) que relata a história das bonecas de pano e sua importância em um determinado período da história de Portugal, onde elas ganham a denominação de " marafonas ", são bonecas sem feição, ou seja não possuem rostos, bocas ou olhos.   Todo primeiro domingo de maio é comemorado entre portugueses e sarracenos, as bonecas são abençoadas e utilizadas como amuleto contra " mau-olhados ".   Achei muito interessante esse fato sobre as marafonas, assim como acho lindo e divino a história dos Abayomi.   Mas, continuando sobre as marafonas: Reza a lenda, quando os mouros cercaram o Castelo de Monsanto a população, refugiada no seu interior, utilizou estas bonecas ( sem rosto e escondendo por debaixo das saias uma estrutura de pau em cruz de Cristo ) para dar a entender aos sitiantes, que apesar do cerco, se mantinham em boa forma de corpo e espírito; levantavam as bonecas para o alto das muralhas e balançavam-as e faziam parecer que elas estavam cantando, assim, mantinham pouco perturbados com o bloqueio, desse modo os sarracenos resolveram levantar, convencidos de que nada faria desistir os sitiados  e levar sua rendição (Amado, 2007, p. 64-65 ).""    Na obra de Monteiro Lobato, a boneca de pano Emília foi feita pela Tia Anastácia para agradar Narizinho, neta de Dona Benta ( Monteiro Lobato, 1972 ); baseados na influência dessa boneca na cultura lúdica brasileira. "   Brogere (2000), afirma que a dimensão material do brinquedo comporta a dimensão cultural de uma sociedade, e é através da interação da criança com o objeto lúdico que ela inicia sua socialização. "    As bonecas de pano parece ser um dos poucos brinquedos, ditos populares, construídas de maneira artesanal que ainda consegue resistir aos intensos " golpes " da indústria de brinquedos que tem nos meios de comunicação de massa um forte aliado para a venda de brinquedos que seduzem crianças e adultos.   Nina Veiga, doutora em Educação, desenvolve desde 1991 em seu Ateliê, brinquedos inspirados no conhecimento antroposófico, levando em conta a imagem ampliada do homem e as necessidades terapêuticas da criança contemporânea.   A boneca mais saudável é a mais simples, a que permite que a criança exercite toda a sua expressividade e represente o mundo próprio.    A criança não é passiva ao brincar com uma boneca de pano, aquilo que a boneca não tem em detalhes, a criança precisa por sua fantasia.    Quando os pais constroem os brinquedos para os filhos, eles mostram que o mundo ainda pode ser inventado.   Há uma grande diferença em educar crianças para que elas transformem o mundo e educá-las para consumir o que está pronto.   Nina Veiga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá querido (a) leitor, seu comentário é muito importante. Este espaço é seu. Lembre-se: Liberdade de expressão não é ofender. Vamos trocar ideias, as vezes podemos não concordar, é natural; afinal tudo depende da visão de cada um; mas respeitar é fundamental, isso é uma atitude inteligente. O que vale mesmo é a troca de informação e com educação. Por favor: Leia antes de fazer seu comentário, os comentários do blog são moderados, só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo, comentários anônimos não serão publicados, não coloque links de artigos de seu blog nos comentários, os comentários não refletem a opinião do autor. Espero que goste do blog, opine, comente, se expresse! Vale lembrar que a falta de educação não é aceito.