x

x

Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''  

sábado, 25 de março de 2017

O Livro de Ouro das Ciências Ocultas __ O Feitiço dos Curandeiros e suas Práticas Mágicas - Parte 16

A grande dissertação sobre símbolos não foi feita sem motivo.   Pois, nesta força operativa dos símbolos, uma irradiação de energia psíquica, poderia estar a explicação do mistério para as intrigantes capacidades e atuações mágicas dos curandeiros.   Jung descreve o símbolo como uma máquina psicológica que transforma em energia.   E sobre os ritos dos primitivos, ele diz: Os ritos que envolvem objetos sacros permite reconhecer muitas vezes, com toda clareza, sua natureza de transformadores de energia.   A magia dos curandeiros equivale para a moderna psicologia profunda, e para a cibernética, a uma operação com símbolos.   A energia ou força mágica, como é chamada nas ciências ocultas, não serve ao curandeiro apenas para curar doenças.   Esta é apenas uma das suas obrigações .   Ele também tem a tarefa de se comunicar com os espíritos dos ancestrais, predizer o futuro por meio de um voo mágico e acompanhar as almas dos mortos.   Além disto, tem de  cuidar da manutenção da ordem natural, a fim de garantir as colheitas, por exemplo.   O curandeiro é, de certa forma, um teórico da informação, pesquisador experimental da natureza, pesquisador experimental da natureza, meteorologista atuante, médico, futurólogo e agente planejador de sua tribo.   E tudo isto numa única pessoa!   Todavia, APESAR DA EVIDENTE DECADÊNCIA , o curandeiro continua sendo o personagem mais importante  da tribo entre povos primitivos; sem ele a sobrevivência seria inviável.   Em alguns povos, o cargo de curandeiro é hereditário, em outros o sucessor é recrutado por se candidatar espontaneamente, após  passar por experiências visionárias, considerado como escolha feita pelos espíritos ou deuses.   Mas, independentemente do processo de escolha, antes de assumir seu posto o curandeiro tem de passar por um longo e árduo aprendizado.   A mântica, ou a arte da adivinhação e da predição do futuro, só é possível para quem dispõe de um canal informativo direto com o além, e está familiarizado com o trato dos espíritos.   A morte mágica, o vôo mágico e o fogo mágico são, de certo modo, as três disciplinas básicas obrigatórias na formação de um curandeiro.   A idéia da morte mágica é experimentar a morte de maneira concreta e real e também aprender a ver a si mesmo como esqueleto.   Para povos nômades, o esqueleto é a base da vida, tanto humana quanto animal.   A morte mágica sempre se trata de um renascimento , de uma renovação espiritual ou neo-nascimento.   Aparece também nas doutrinas esotéricas dos budistas da Ásia Central e Oriental, no Grande Opus dos alquimistas e por ocasião da admissão na ordem secreta dos Rosa-cruzes.   ____ Além de crer  num reino espiritual do Além o curandeirismo cultiva ainda a fé na imortalidade e isto, de certa forma, já em épocas bem primitivas.   Porém, Não imagina uma vida eterna no Céu, como a prometida posteriormente pelos Cristãos e pelo Islamismo.   O Mito do Paraíso Perdido que deu origem a esta noção surgiu de outra maneira.   Está ligada à evolução do consciente e ao desenvolvimento cultural dela corrente.   O Vôo  Mágico é a segunda disciplina básica no curso para curandeiro; é também denominado Grande Viagem, a ascensão do xamã à dimensão aérea e celestial.   Para isto, eles usam a árvore dos curandeiros.   Entre os nômades do hemisfério norte, e em nações indígenas, a árvore mais comumente usada para este fim é a bétula.   É fincada no chão da tenda, com a ponta emergindo da abertura para a saída da fumaça.   Conforme Bastiani que havia descrito em seu relato, a árvore é ornada com todo  tipo de enfeites mágicos.   Voar por meio de meditação transcendental, e tornar-se invisível são as mais recentes atrações da sereia do iogue Maharishi Mahesh, que se mudou para o Ocidente há cerca de duas décadas, a fim de tornar as pessoas felizes.   Superar a força da gravidade com aviões a jato, helicópteros ou mísseis espaciais já é fato rotineiro, que não impressiona mais ninguém.   Mas voar assim de improviso... só com a força mental...na verdade a proeza não é tão fácil assim; e se algum propagandista da seita afirmar que, com o decorrer do tempo, os praticantes da meditação transcendental podem incrementar seus poderes a ponto de poder voar, tornar-se invisíveis ou atravessar paredes, isto é Charlatanismo e não adianta seu colega afirmar que a preparação exige apenas de um ano a um ano e meio, que passa voando para quem está sentado na rua praticando sua meditação; promessas deste tipo são pura e simples Vigarice.   O vôo mágico dos curandeiros e também dos autênticos iogues hindus ou tibetanos é bem diferente em aparência e essência.   Além de estudar durante anos  as técnicas de êxtase e praticar rigorosos exercícios de autocontemplação interior, o curandeiro precisa se esforçar incessantemente pelo próprio aperfeiçoamento Espiritual e Moral.   Corresponde à visão materialista-consumista da nossa época achar que é possível adquirir tais poderes mágicos em cursos de treinamento pagos.   Isto já não é mais ingenuidade infantil, é rematada tolice.   E é em crenças tolas como esta que se baseia o iogue anteriormente citado; com seus agenciadores, ele montou um empreendimento muito bem organizado e altamente lucrativo.   A árvore do curandeiro representa, por assim dizer, o eixo do mundo; uma árvore cósmica.   Na opinião de muitos povos, a doença é resultado de perda da alma, em seu vôo mágico, o curandeiro traz de volta as almas extraviadas.   Só que estas viagens são sempre experiências extáticas e não vôos reais.   Quando o curandeiro torna a descer de sua árvore, na maioria das vezes ele cai num estado de total prostração.   A alma se separa do corpo.   Poi é esta ou o corpo astral, conforme é chamado Tantra-ioga, e não corpo físico, que empreende o vôo mágico.   Nos povos insulares da Oceania , o vôo mágico não começa com a ascensão da árvore dos curandeiros, mas a partir de um barco, sobre o qual o curandeiro se deixa levar para o alto-mar.   Em outros povos, ele escala íngremes rochedos ou altas montanhas.   A capacidade mágica de se alçar nos ares e voar tem se conservado na tradição das ciências ocultas através dos tempos.   Citemos apenas a crença em bruxas, que de modo algum se manteve restrita à Idade Média.   A origem desta noção, vinda de épocas arcaicas, encontra explicação em muitos mitos relativos à Criação e em sagas tribais.   Quer se trate de vôo mágico, de uma viagem ao céu, ou posteriormente de viagens espaciais, o padrão arquetípico é a idéia de que em eras longínquas o trânsito entre a Terra e o reino dos espíritos era bem mais fácil.   Também a crença de que as pessoas possuíam asas reais, como anjos, é encontrada em mitologia.   Portanto o vôo mágico dos curandeiros, e posteriormente dos mágicos, feiticeiros e bruxas, não é mais do que a reconstituição de uma capacidade humana outrora comum.   Entre os nômades Altai, os Golden e os Iuraques da Sibéria, o curandeiro empreende sua grande viagem a cavalo .   Existe uma série de antigas tradições.    A noção de que o reino dos espíritos, para onde vão também as almas dos falecidos, se encontra debaixo da terra, reaparece nas religiões dos povos civilizados ocidentais.   Os cristãos por sua vez fazem dele o inferno.   Mas é também a origem do mito da lendária e jamais encontrada cidade de Agarti, que desempenha papel de destaque na sociedade esotérica secreta do nacional-socialismo, a Sociedade de Tula.   recentemente o escritor inglês Tolkin, em seu conhecido livro  Senhor do s Anéis, faz renascer o mito de um mundo inferior ao descrever uma terra intermediária.   O Fogo Mágico é a terceira  técnica básica para obter o grau de curandeiro.   Evans-Wentz, pesquisador do Tibete, fala de um calor psíquico, pois ele é provocado unicamente por psiquísmo, mediante exercícios de meditação e visualização, assessorados por uma técnica  respiratória especial.    Entre os esquimós e entre os nômades das regiões árticas usa-se mergulhar panos em água gelada, até que fiquem rígidos de frio, existem muitos exemplos de técnicas.   A provocação do calor mágico está em relação direta com o chamado domínio do calor.   Ou seja, a capacidade de andar com pés descalços sobre brasas ardentes, placas de ferro incandescentes ou proezas semelhantes.    Os curandeiros entram em comunhão com o espírito  do fogo.   Como resultado, são capazes de expelir chamas de fogo pela boca e pelas narinas; como resquício disto , ainda encontramos Imitações da arte em Prestidigitadores ou no engolidor de fogo do circo.   A produção de calor mágico , no entanto não está restrita ao Extremo Norte ou às regiões frias.   Em épocas posteriores, a arte do calor mágico dos curandeiros, passa para os ferreiros e metalúrgicos.   O major-domo do reino dos francos, que derrotou os árabes em Tours e em Narbonne, criando para o seu neto, Carlos Magno, as bases de seu império, não se intitulou Charles Martell (pergunta).   Carlos, o Martelo!   De sua ferraria saiu o Santo Império Romano, o primeiro império europeu.   Quando, cerca de doze séculos mais tarde, o sucessor de Lenin adotou o nome de Stalin, ele devia ter tido motivos para isto.   Mussolini foi cognominado o Ferreiro de roma.   E o Ex-chanceler alemão, Brandt (fogo).   Difícil dizer se ele trocou conscientemente o verdadeiro nome da família por aquele apelido.  Porém, o novo nome, que faz lembrar magicamente o fogo, foi sem dúvida bem escolhido.   Como vemos, o pensamento mágico se conservou desde as eras arcaicas até o presente.   Pode ser sentido em quase tudo.   É que nós não prestamos muita atenção a isto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário