x

x

Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''  

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

História da Civilização por Roberto Accioli _ A Antiguidade Oriental _ Parte 2

O vale do Nilo e o Oriente Mediterrâneo são berços de Civilização e Cultura.   Essa área geográfica, situada no entrecruzamento de três continentes _ o asiático, o africano e o europeu _, possibilitou contatos e fusões entre povos heterogêneos, favorecendo a mescla de civilizações do norte e do sul, do leste e do oeste.    Nas margens limosas dos rios Nilo, Eufrates e Tigre, alagadas por cheias regulares, instalaram-se sociedades civilizadas que são consideradas marcos iniciais do nosso tempo histórico.   Isso não significa, no entanto, que fossem únicas na época , pois, ao seu derredor, no coração e nas extremidades daqueles continentes e mesmo em continentes ainda insuspeitados, coexistiam e se desenvolviam outras civilizações.   No vale do Indo e do Ganges, por exemplo, organizou-se em período não devidamente precisado a comunidade cultural indiana e, ás margens rios Hen-Ho e Lang-Tsé, estruturou-se uma cultura típica, extensiva a vastas áreas asiáticas.   Contemporâneas em sua origem, destacaram-se na região do Nilo e no Oriente Mediterrâneo a civilização egípcia e a civilização suméria.   A egípcia, de essência apurada, irradiou-se por todo o mundo antigo, embora nem sempre de forma direta; a suméria espalhou-se pela Ásia Ocidental, servindo de fundamento comum a vários povos: hititas, mitanianos, medos, persas.   Essas comunidades formavam, inicialmente, pequenos principados que, por aglutinação numa etapa posterior, transformaram-se em reinos unitários e teocráticos, findando por se consolidar em grandes impérios e aspirar à hegemonia do mundo conhecido.   O fenômeno que ali ocorreu é inerente à existência coletiva em centros de civilização possuidores de territórios privilegiados.   A situação excepcional, capaz de despertar a cobiça dos vizinhos, conduz a uma política de segurança e de conquista pelas armas do domínio produtivo.   Assim, o imperialismo político-militar atingiu sua plenitude no Oriente Próximo.   E, como também sempre acontece, com o apogeu imperialista coincidiu o esplendor artístico, científico, econômico e filosófico.   As realizações dos povos daquela região foram fundamentais e persistem nas épocas posteriores.   São obras arquitetônicas, são conceitos básicos de matemática, astronomia, medicina.   São técnicas de agricultura e rotas de comércio, são preceitos religiosos e códigos de ética.   O legado do Nilo e do Oriente Mediterrâneo é ainda hoje perceptível.   De forma concreta nas ruínas dos palácios persas, nos vestígios das cidades assírias, nas pirâmides egípcias; de maneira menos evidente, mas incontestável, nos cálculos matemáticos e leis da astronomia, na cirurgia e na farmacopeia, na irrigação do solo, no sistema monetário, nos princípios do Cristianismo e na estrutura do Direito.   O avanço da civilização egípcia até hoje surpreende os estudiosos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário