Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''  

sábado, 17 de dezembro de 2016

_O Livro de Ouro das Ciências Ocultas - Friedrich W. Doucet, Magia, Alquimia, Ocultismo - Parte 3



Muitas vezes as circunstâncias exigem que certos conhecimentos sejam mantidos sob sigilo.   É usual ver governos e sua equipe de ministros burocráticos colocar o rótulo de secreto a uma série de deliberações.   Entre elas, naturalmente, também resultados de pesquisas científicas de interesse militar.   A indústria guarda segredo sobre aperfeiçoamentos técnicos e sobre processos de industrialização importantes.   Nestes casos, o sigilo é essencial para a preservação de interesses, quer de natureza geral, quer de natureza privada.   No primeiro caso, visa à segurança do Estado ou da economia, assegura a manutenção da competitividade, a garantia de empregos, etc.   No segundo caso, o objetivo é resguardar a privacidade do cidadão, em geral por razões de auto-afirmação e autopreservação.   Todos esses segredos, quer sejam segredos de Estado, ou algum segredo pessoal cuidadosamente guardado, tem algo em comum.   O fato oculto é conhecido por alguém, seja ele funcionário público ou cidadão privado.   No caso das ciências ocultas, porém, cultivadas pelos mais destacados cientistas ocidentais há pelo menos 2.500 anos, a questão é outra.   Esses pesquisadores não se preocupavam em manter sigilo; eles queriam desvendar segredos.   O que impelia tais homens à busca de conhecimentos era a ânsia de compreender.    O objeto de suas pesquisas era o mistério da existência do mundo, do homem e da natureza.    Não se contentavam em explorar o meio ambiente, desvendar regiões selvagens, descobrir plantas e animais desconhecidos ou observar o firmamento estrelado acima de suas cabeças e depois descrever tudo isto.   Claro, faziam isto também.   Na exploração do meio ambiente os cientistas de épocas passadas eram sem dúvida arrojados observadores da natureza, conforme prova a longa viagem do sábio romano Plínio.   Conforme relata em seu livro, ele circunavegou toda a África, visitou a Índia, a China e subiu pelo mar entre a Coréia e o Japão até o litoral pacífico da Sibéria.   Para aquela época foi uma aventura realmente notável.   No entanto, observar a natureza e realizar arrojadas expedições exploratórias são atividades classificadas sob a rubrica ciências gerais.   A despeito de os  monges de Glastonbury terem guardado o manuscrito a sete chaves, como assunto secreto, é verdade que o texto fala muito em feitiçaria e bruxaria, e em entes que aos olhos dos cristãos eram mais criações diabólicas do que divinas.   Mas se interpretarmos corretamente o conceito ciências ocultas, ele não se refere à observação e descrição da natureza quanto à aparência externa de seus componentes, ou seja, o lado de fora,; muito pelo contrário, ele se esforça por pesquisar a essência interna das coisas.   Trata-se de desvendar o segredo da coesão mais íntima do Universo.   Trata-se de resolver o mistério das relações ocultas entre Cosmo, meio ambiente e homem, mistério este cuja essência o homem entrevê sob inúmeras manifestações, e às vezes em estranhas e perturbadoras ocorrências.   No entanto, o mistério apenas se deixa entrever, sem revelar.   Nas ciências ocultas e em sua ávida busca de conhecimentos, o primeiro plano é ocupado pelo mistério homem.   O homem não continua sendo até hoje o mais desconhecido dos seres vivos (pergunta).   A despeito do enorme avanço das ciências no século XX.    Apesar do crescimento quase explosivo dos conhecimentos em ciências naturais e das novas invenções tecnológicas no decorrer dos últimos cinquenta anos - uma multiplicação de informações científicas jamais ocorrida na história da humanidade!   E no entanto, o homem não continua sendo um mistério para si mesmo (pergunta).   O que ou como é a alma do homem realmente (pergunta).    O que é o espírito em sua essência mais profunda, e qual seu significado ulterior (pergunta).   Não é em vão que Ludwig von Bertalanffy, professor universitário em Viena, Nova Iorque, Otawa, e especialista em biológica básica, biofísica e psicologia do comportamento, intitulou um de seus livros: ...mas do homem nada se sabe!   É uma obra pouco divulgada, porém meritória, que analisa criticamente a psicologia e sua posição no mundo moderno.   O que caracteriza realmente as ciências ocultas é a pesquisa básica  para conhecimento do espírito e da alma, sua essência e maneira de agir tanto no homem quanto na natureza inteira.   Uma pesquisa básica que via compreender as misteriosas, porém, onipresentes forças espirituais e energias psíquicas, a fim de aproveitar suas possibilidades latentes.   Naturalmente esta pesquisa não pode ser comparada com a atividade científica dos amplos laboratórios das universidades atuais, ou de modernos institutos de pesquisa, equipados com sofisticada tecnologia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá querido (a) leitor, seu comentário é muito importante. Este espaço é seu. Lembre-se: Liberdade de expressão não é ofender. Vamos trocar ideias, as vezes podemos não concordar, é natural; afinal tudo depende da visão de cada um; mas respeitar é fundamental, isso é uma atitude inteligente. O que vale mesmo é a troca de informação e com educação. Por favor: Leia antes de fazer seu comentário, os comentários do blog são moderados, só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo, comentários anônimos não serão publicados, não coloque links de artigos de seu blog nos comentários, os comentários não refletem a opinião do autor. Espero que goste do blog, opine, comente, se expresse! Vale lembrar que a falta de educação não é aceito.