Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''   

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Carvão por Elmar Fonsêca - Parte 6


Expansão da Produção: Como efeito das leis de proteção ao carvão nacional, surgidas em 1916, além das medidas eficazes da década de 1930, a produção de carvão expandiu-se.   Em 1931, durante o Governo Provisório de Getúlio Vargas, estabeleceu-se uma taxa de aquisição obrigatória.   Por essa taxa, o carvão nacional tinha de ser adquirido na razão de 10% pelos importadores do carvão estrangeiro, crescendo assim a produção nacional.   Na ânsia de proteger a exploração nacional de carvão o governo criava assim os primeiros embaraços aos importadores.   Poucos anos depois essa taxa foi aumentada para 20%.   O resultado não se fez esperar.   Em 1937, a produção brasileira chegava a 762.789 toneladas e em 1939 atingia i milhão de toneladas.   Em 1943, ano de fundação da CSN, Cia. Siderúrgica Nacional, a produção batia o recorde de 2.078.250 toneladas.    Retrocesso: Terminada a  Segunda Guerra Mundial, em 1945, todos os projetos sobre o carvão mineral foram abandonados, embora em 1922 se houvesse realizado, no Rio, o primeiro congresso do carvão, e em 1945 experiências do engenheiro Fonseca da Costa, no Instituto Nacional de Tecnologia, sobre a fabricação do coque metalúrgico com misturas de carvão nacional e estrangeiro tivessem sido implementadas.   Durante um período de 25 anos pouco se fez pelo carvão no Brasil, a não ser: 1946-Pelo Decreto número 9.826 foram fixadas as características dos diversos carvões nacionais.   1947-Criou-se no Rio Grande do Sul o Departamento Autônomo do Carvão Mineral, uma autarquia destinada a estudar o problema do carvão e desenvolver a produção carbonífera nesse estado.  1949-Mesa-Redonda promovida pelo Conselho Nacional de Minas e Metalurgia estabeleceu um plano de medidas visando o amparo da indústria carvoeira.   1951-O Presidente Vargas encaminhou ao Congresso o Plano do Carvão Nacional, estabelecido pelo engenheiro Mário da Silva Brito.    1952-Foram publicados os primeiros trabalhos técnicos sobre as camadas de carvão na região Sul do país, de autoria do geólogo Nannfrit Putzer, que constituem a melhor fonte de informações sobre a geologia econômica do carvão catarinense.   1953-Foi aprovado e entrou em vigor o Plano Nacional do Carvão.   1970-Criou-se no Rio Grande do Sul, a companhia Rio-Grandense de Mineração, CRM, empresa de economia mista.   Sua criação ativou o setor do carvão já que a exploração do carvão até aquele ano chegou a tal retrocesso que ocorreram várias paralisações de minas carboníferas na região do Sul.  E até neste mesmo ano de 1970 extinguia-se o único fórum de debates do setor, a Comissão do Plano do Carvão Nacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá querido (a) leitor, seu comentário é muito importante. Este espaço é seu. Lembre-se: Liberdade de expressão não é ofender. Vamos trocar ideias, as vezes podemos não concordar, é natural; afinal tudo depende da visão de cada um; mas respeitar é fundamental, isso é uma atitude inteligente. O que vale mesmo é a troca de informação e com educação. Por favor: Leia antes de fazer seu comentário, os comentários do blog são moderados, só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo, comentários anônimos não serão publicados, não coloque links de artigos de seu blog nos comentários, os comentários não refletem a opinião do autor. Espero que goste do blog, opine, comente, se expresse! Vale lembrar que a falta de educação não é aceito.