..

..

Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''  

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Carvão por Elmar Fonsêca - Parte 6


Expansão da Produção: Como efeito das leis de proteção ao carvão nacional, surgidas em 1916, além das medidas eficazes da década de 1930, a produção de carvão expandiu-se.   Em 1931, durante o Governo Provisório de Getúlio Vargas, estabeleceu-se uma taxa de aquisição obrigatória.   Por essa taxa, o carvão nacional tinha de ser adquirido na razão de 10% pelos importadores do carvão estrangeiro, crescendo assim a produção nacional.   Na ânsia de proteger a exploração nacional de carvão o governo criava assim os primeiros embaraços aos importadores.   Poucos anos depois essa taxa foi aumentada para 20%.   O resultado não se fez esperar.   Em 1937, a produção brasileira chegava a 762.789 toneladas e em 1939 atingia i milhão de toneladas.   Em 1943, ano de fundação da CSN, Cia. Siderúrgica Nacional, a produção batia o recorde de 2.078.250 toneladas.    Retrocesso: Terminada a  Segunda Guerra Mundial, em 1945, todos os projetos sobre o carvão mineral foram abandonados, embora em 1922 se houvesse realizado, no Rio, o primeiro congresso do carvão, e em 1945 experiências do engenheiro Fonseca da Costa, no Instituto Nacional de Tecnologia, sobre a fabricação do coque metalúrgico com misturas de carvão nacional e estrangeiro tivessem sido implementadas.   Durante um período de 25 anos pouco se fez pelo carvão no Brasil, a não ser: 1946-Pelo Decreto número 9.826 foram fixadas as características dos diversos carvões nacionais.   1947-Criou-se no Rio Grande do Sul o Departamento Autônomo do Carvão Mineral, uma autarquia destinada a estudar o problema do carvão e desenvolver a produção carbonífera nesse estado.  1949-Mesa-Redonda promovida pelo Conselho Nacional de Minas e Metalurgia estabeleceu um plano de medidas visando o amparo da indústria carvoeira.   1951-O Presidente Vargas encaminhou ao Congresso o Plano do Carvão Nacional, estabelecido pelo engenheiro Mário da Silva Brito.    1952-Foram publicados os primeiros trabalhos técnicos sobre as camadas de carvão na região Sul do país, de autoria do geólogo Nannfrit Putzer, que constituem a melhor fonte de informações sobre a geologia econômica do carvão catarinense.   1953-Foi aprovado e entrou em vigor o Plano Nacional do Carvão.   1970-Criou-se no Rio Grande do Sul, a companhia Rio-Grandense de Mineração, CRM, empresa de economia mista.   Sua criação ativou o setor do carvão já que a exploração do carvão até aquele ano chegou a tal retrocesso que ocorreram várias paralisações de minas carboníferas na região do Sul.  E até neste mesmo ano de 1970 extinguia-se o único fórum de debates do setor, a Comissão do Plano do Carvão Nacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário