..

..

Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''  

sábado, 20 de maio de 2017

O Livro de Ouro das Ciências Ocultas - A Decadência da Magia e a Cisão entre Ciência e Religião. Parte 28

Os processos contra as bruxas têm sido tão discutidos que é desnecessário repisar o assunto.   No entanto, parece-me importante chamar a atenção para um detalhe.  A obsessão contra as bruxas não é de forma alguma fenômeno restrito à Idade Média, a chamada Idade das Trevas, que afinal não foi tão sombria assim.   O famigerado Martelo das Bruxas, do dominicano Jacó Sprenger, que teve inúmeras edições e desencadeou em larga escala a caça às bruxas, só apareceu em 1487.   No prefácio, Sprenger e seu co-autor Heinrich Institoris se reportam à bula contra as bruxas do Papa Inocêncio oitavo, redigida em 1484, como base jurídica para a perseguição às bruxas.   Em seu livro, cujo título em latim é Maleus Maleficarum, os autores forneciam indicações exatas sobre as características externas que identificavam  bruxas e feiticeiros, sobre os métodos de tortura a serem aplicados para extorquir confissões e sobre o esquema da condução do processo.   E desta forma o funesto livro se tornou o manual-padrão nos abomináveis processos contra as bruxas.   Na Idade Nova, como os historiadores chamam, ( Idade Média, durante a renascença ), a época do renascimento da antiga sensação de vida, da filosofia natural grega e dos ideais de beleza clássica na arte onde também ocorreu à perseguição as bruxas.   Por outro lado, é o século da conquista do Império Asteca por Cortes - após a descoberta da América, em 1492 - e da conquista da terra do ouro, o Peru, por Pizarro.  Estas conquistas estão entrelaçadas com o aniquilamento das florescentes culturas primitivas americanas, no que constitui provavelmente até hoje o mais terrível genocídio jamais praticado.   Só no México, o número de vítimas deste programa de extermínio atingiu cerca de dezenove milhões de pessoas - e tudo sob o símbolo da cruz e a pretexto de converter pagãos!  É também o século da Cisão religiosa e da fundação da doutrina protestante do cristianismo pelo monge agostiniano Martinho Lutero.   Acaba a veneração a Maria e a santos, elimina-se do culto divino o mistério  da santa missa.   A comunhão deixa de ser o milagre diário da unificação mística com o corpo e o sangue de Cristo.   É rebaixada a um simples ato simbólico e evocativo.   O que  Lutero apregoa é uma religião racional, que se baseia na anima rationalis ( a alma racional ).  No entanto, sob o signo da anima rationalis, o pensamento ocidental passa por uma inflação do consciente.   Só agora tanto o consciente individual quanto o coletivo se sentem aprisionados como nunca antes pela pessoa de Satã, e pelo mal nele incorporado.  Os livros mágicos de Seth, Abraão, Moisés e do Rei Salomão completam a lista, que é arredondada por toda espécie de livros mágicos, miraculosos e sibilinos.   Os autores destes livros, quase sempre anônimos, eram cautelosos.   Frisavam sempre o caráter de obra ilustrativa e deixavam claro que as chaves mágicas, fórmulas encantatórias e esconjuros nelas citados eram recursos no sentido teúrgico, isto é, da magia celeste ou branca, que visava quebrar o poder do Príncipe dos Infernos e resguardar o leitor de seus espíritos diabólicos.   Mas para as mulheres sob suspeita de bruxaria, os tempos eram difíceis.  A caça as bruxas assumiu dimensões de um extermínio suicida da população feminina.   Peculiarmente, a obsessão era mais forte nos países nórdicos da Europa e nos que professavam o protestantismo.   A prisão e a tortura arrancavam então confissões de mulheres em sua maioria completamente inocentes.   Como última bruxa a morrer na fogueira, foi executada em 1782, Suíça, onde predominava a religião protestante reformada, a serva Ana Goeldi.   O Imperador austríaco José segundo, que era também imperador do Sacro Império Romano Germânico, já tinha proclamado a liberdade de crença.   A tortura estava abolida; exatamente um ano antes o filósofo de Koenigsberg, Immanuel Kant, havia publicado sua Crítica da Razão Pura.  Este livro continua sendo uma das mais importantes obras filosóficas.   Kant analisa nela os conceitos metafísicos - Deus, alma, imortalidade - e mostra como é fácil para a razão induzir um erro.  Só o pensamento não conduz à verdadeira percepção.   Isto só se torna possível com a experiência, isto é, a pesquisa da natureza, aliada à razão.   Portanto, no início sempre deve estar o esforço pelo auto conhecimento e a auto crítica.   Lúcifer e o mal a ele atribuído foram combatidos sob o signo da razão.  O modo racional de pensar levou a uma inflação do consciente.   Com isto os canais para o inconsciente foram soterrados.   Porém, no sentido de um equilíbrio compensatório , o mal assumiu vida intensa no inconsciente e abriu caminho sob a forma explosiva de uma obsessão coletiva.   Na caça às bruxas, com sua suicida extinção de parte da população feminina da Europa, podemos ver igualmente uma tendência de conciliação e auto-punição como compensação pelo terrível genocídio praticado contra incas, maias e astecas e pelas barbaridades deliberadamente feitas no Novo mundo.  Como também uma resposta do inconsciente pelo banimento do aspecto mágico-místico, e do mistério da missa, na religião.  Pois sem a crença em mistérios e num mundo mágico a alma adoece.  C.G.Jung, em seu estudo da Lenda de Lúcifer em relação com o dogma da Santíssima Trindade, ele conclui: " Pois muito  do que se revela em seus efeitos como profundamente mau, não provém de modo algum de uma maldade correspondente do homem, mas sim de ignorância e inconsciência. ".

Nenhum comentário:

Postar um comentário