Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''   

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Carvão por Elmar Fonsêca - Parte 5

No Brasil, o carvão mineral foi descoberto em 1800.   O Rei Dom João V1 foi quem examinou __ no Rio __ as primeiras amostras, provenientes de Curral Alto no Rio Grande do Sul.   E, em 1825 o naturalista Friederich Sellow fez as primeiras observações sobre o carvão do Rio Grande do Sul.   Examinou os afloramentos de carvão do Curral Alto e do Serro do Roque no atual município de S. Jerônimo.   Em 1832, o inglês Alexandre Davidson emitiu um parecer geológico sobre o carvão brasileiro e F. Sellow examinou o carvão de Santa Catarina.   E em 1853 o governo Provincial encarregou o inglês James Johnson a fazer a exploração da primeira mina de carvão mineral no país, a mina de Arroio dos Ratos.  A mina recebeu do governo da antiga Província de S. Pedro, hoje Estado do Rio Grande do Sul, ajuda pública.   Mesmo assim a mina foi abandonada e somente em 1866, com a criação de uma estrada de ferro de doze quilômetros, ligando Arroio dos Ratos a S. Jerônimo, Johnson abriu as primeiras minas no Arroio dos Ratos.   Em 1880 foi construída a Estrada de Ferro D. Tereza Cristina para transportar o carvão das minas de Santa Catarina para o Porto de Laguna e começaram a ser descobertas as primeiras minas na bacia do Alto Tubarão.  Em 1917 iniciaram-se as sondagens feitas pelo serviço Geológico em busca do carvão do Estado do Amazonas que se prolongou até 1925.   Foram feitas 5 sondagens com profundidade máxima de 452 metros.   Em 1918, o governo Wenceslau Braz criou a junta de Abastecimento do Carvão, responsável pelos primeiros estímulos à produção nacional do carvão, principalmente através de financiamento.   Em 1921 fundou-se a Estação Experimental de Combustíveis e Minérios destinada a estudar o melhor aproveitamento possível para combustíveis, notadamente o carvão mineral.   Tratava-se de um esforço para a criação de tecnologia nacional voltada para o uso do carvão nacional, cujas características são diversas das do europeu e norte-americano, modelos de tecnologias vigentes.   Este órgão, transformado, em 1927, no Instituto Brasileiro de Pesquisas Industriais e com atividades estendidas a todos os ramos industriais do país, é hoje o Instituto Nacional de Tecnologia.  Com o surgimento da Cia. Siderúrgica Nacional em 1943, todo o carvão metalúrgico produzido no país, isto é, em Santa Catarina, foi comprometido para atender aquela empresa.   Pelo Decreto Lei 6.771 de 7 de agosto de 1944 a CSN passou a utilizar o carvão também como fonte de energia para o aquecimento de suas caldeiras.   Outros fatos que demonstram a participação do estado nos incentivos à produção do carvão são: Tanto na primeira Guerra Mundial ( 1914-1918 ) como na segunda ( 1939-1945 ) ocorreu a paralisação do tráfego marítimo internacional, forçando o aparecimento da indústria de carvão brasileira.   O governo decretou vários tipos de isenções fiscais e promulgou leis especiais, fazendo com que as indústrias passassem a consumir o carvão nacional.   Em 1916, as primeiras medidas de proteção de nosso carvão tiveram o efeito esperado, de vez que a produção atingiu a 350 mil toneladas por ano, assim permanecendo por quase quinze anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá querido (a) leitor, seu comentário é muito importante. Este espaço é seu. Lembre-se: Liberdade de expressão não é ofender. Vamos trocar ideias, as vezes podemos não concordar, é natural; afinal tudo depende da visão de cada um; mas respeitar é fundamental, isso é uma atitude inteligente. O que vale mesmo é a troca de informação e com educação. Por favor: Leia antes de fazer seu comentário, os comentários do blog são moderados, só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo, comentários anônimos não serão publicados, não coloque links de artigos de seu blog nos comentários, os comentários não refletem a opinião do autor. Espero que goste do blog, opine, comente, se expresse! Vale lembrar que a falta de educação não é aceito.