x

x

Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''  

domingo, 8 de novembro de 2015

'' ENTERRADA VIVA '' _ JANIS JOPLIN _ PARTE 25 ( PAUSA )

A NOVA JERUSALÉM _ TINA TUNER TAMBÉM EXERCERIA NELA UMA ENORME INFLUÊNCIA, MAS FOI OTIS REDDING QUEM MODIFICOU O CONCEITO DE CANTO DE JANIS: '' O SEU ESTILO DE ALTA -VOLTAGEM COMEÇOU NAQUELE MOMENTO, DECLARA DAVE GETZ.       DURANTE AQUELE VERÃO. CHET HELMS E O CONJUNTO BIG BROTHER SEPARAM-SE.     NÃO FOI NADA PESSOAL.     NESSA ÉPOCA JANIS QUASE DEIXOU O CONJUNTO.       FOI SONDADA POR UM REPRESENTANTE DOS DISCOS ELECTRA, COM UM CONTRATO PARA SE UNIR AO OUTRO CONJUNTO.      APÓS UM ENCONTRO PARA DISCUTIR A PROPOSTA, QUE OS BIG BROTHERS PENSAVAM INCLUIR TODOS ELES, ELA VOLTOU E ANUNCIOU, FELIZ DA VIDA, A OFERTA QUE RECEBERA COM EXCLUSIVIDADE.        PETER ALBIN DIZ QUE ELA MAIS PARECIA UMA ADOLESCENTE, VIDRADA NUM SONHO TÍPICO DOS ANOS CINQUENTA.        EVIDENTEMENTE, ELA NÃO DEIXOU O CONJUNTO MAS, ATÉ ISSO FICAR ESTABELECIDO, A POSSIBILIDADE DA SUA PARTIDA CAUSOU COMOÇÃO ENTRE O PESSOAL.      O BIG BROTHER ESTAVA SEM EMPRESÁRIO QUANDO VIAJARAM PARA CHICAGO, EM AGOSTO DE 1966, A FIM DE CUMPRIR UM CONTRATO DE QUATRO SEMANAS.       O CANTOR E COMPOSITOR NICK GRAVENITES, AMIGO DOS TEMPOS DE SAN FRANCISCO, ESTAVA NA OCASIÃO EM CHICAGO.        AINDA HOJE RI AO SE LEMBRAR DA REAÇÃO DA PLATÉIA: PERPLEXIDADE NEGATIVA.       E O CONJUNTO...    MAS... HAVIA OUTRO PRODUTOR DE DISCOS QUE TINHA OPINIÃO DIFERENTE.       QUIS O AZAR QUE O GERENTE DO NIGHT CLUB NÃO PAGASSE TODO O DINHEIRO ACERTADO.        DUROS E VULNERÁVEIS, OS BIG BROTHERS ACEITARAM O CONTRATO QUE BOB SHAD, DOS DICOS MAINSTREAM, LHES OFERECEU, EM VEZ DE ESPERAR PELA POSSIBILIDADE DE SEREM CONTRATADOS POR UMA COMPANHIA MAIOR E MAIS PRESTIGIOSA.      HOUVE MAIS DO QUE INGENUIDADE NA DECISÃO DO CONJUNTO EM ASSINAR CONTRATO COM SHAD.       VOLTARAM PARA LAGUANITAS E GRAVARAM UM ÁLBUM, MAS, SEM NINGUÉM PARA LHES PROTEGER OS INTERESSES, OS DISCOS FORAM FEITOS DE MANEIRA A CUSTAR O MÍNIMO E NÃO FORAM LANÇADOS ENQUANTO O CONJUNTO NÃO SE TORNOU CONHECIDO EM TODA A NAÇÃO.       DEPOIS DISSO, UM CERTO JIM KALARNEY GERIU O CONJUNTO E, EM JANEIRO DE 1967, JULIUS KARPEN TORNOU-SE SEU EMPRESÁRIO.      A PRIMEIRA COISA QUE ELE FEZ, FOI MANDÁ-LOS DE VOLTA À CIDADE.       ISSO FOI PRINCIPALMENTE BOM PARA JANIS, QUE SE SENTIA SÓ.      ALÉM DISSO, A MUDANÇA TIROU-A  DE UMA SITUAÇÃO NA QUAL ELA SE VIA CONSTANTEMENTE TENTADA A APELAR PARA AS DROGAS.      NÃO RECORREU A ELAS, DURANTE O PERÍODO EM QUE VIVEU NA CIDADE COM JOE MCDONALD, DO CONJUNTO COUNTRY JOE AND THE FISH.      O CASO ENTRE OS DOIS DUROU APENAS TRÊS OU QUATRO MESES; DEPOIS, DESINTEGROU-SE.      JANIS ENCARAVA-O COM IMPORTÂNCIA RELATIVA.      CONFORME JOE CONTOU À ROLLING STONE, DEPOIS DA MORTE DELA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário