Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''   

sábado, 6 de agosto de 2016

Artes Plásticas - A Idade Média " - Por Wladimir Alves de Souza - Parte 12

Na Idade Média o mobiliário civil decai de importância com a Igreja cristã triunfante depois da conversão do Imperador Constantino, o Grande, em 313.    A febre da construção das igrejas vai absorver todos os esforços para  sua decoração, riqueza e equipamento condignos.    Nos mosaicos bizantinos, a figura de Cristo triunfante, o Pantocrator ( rei do universo ), é muitas vezes representada sobre um trono.    Os tronos episcopais seguiram esses padrões, como o de Ravena ( século V1 ), em marfim esculpido, além dos que restaram do Império Romano do Oriente.    Apesar disso o imperador  de Bizâncio habitava palácios suntuosamente decorados e mobiliados, com camas lavradas e estofadas com tecidos de ouro, prata, púrpura ( tecido tinto com a cor vermelha tirada de um caramujo chamado murex ), arças esculpidas em madeiras raras, brocados, bordados, tapetes do Oriente e peças de ourivesaria, tudo fazendo parte do opulento patrimônio do imperador.     Restou relativamente pouca coisa do mobiliário do homem comum e mesmo do homem rico, na Europa Feudal, durante a Idade Média.    Muito desapareceu e foi substituído pela evolução da moda.    Entre os séculos 1X e X11 as cadeiras, camas, arcas eram trabalhadas, entalhadas, com os mesmos motivos decorativos da arquitetura.    As primeiras arcas germânicas foram feitas pelo esvaziamento de troncos, usando ferragem primitiva.    Mas é de todo esse material que vão surgir escolas de marceneiros, entalhadores e escultores.    O trono do bispo, a " cathedra" ( o que deu origem ao nome de catedral dado às igrejas episcopais ), os cadeirais dos coros, também chamados " stalas ," vão enriquecer as igrejas com suas obras cada vez mais ricas, e isso se passa a partir do século X11 até o século XV1.     O mobiliário civil, mesmo dos reis e dos grandes senhores, era mais simples.    As camas eram dotadas de dosséis, sobre colunas e cortinados, e, pouco a pouco, as formas da decoração arquitetônica vão sendo transportadas para os móveis.     Em toda a Europa medieval e principalmente na França, na Itália, na região Flandres e da Borgonha e, na Alemanha, vamos encontrando peças cada vez mais ricas.     Nesse tempo a Europa era coberta de florestas e as madeiras mais usadas foram o carvalho, a bétula, a faia, o pinho, a nogueira.     Começa pela Itália da primeira Renascença ( século XV ) o interesse pelos revestimentos de " intarsia " ( embutidos ), usando madeiras de cores diversas e compondo verdadeiros quadros, nos quais entravam também a madrepérola e o marfim.    Um exemplo maravilhoso da obra desses artistas do século XV se encontra na biblioteca do palácio ducal de Urbino, na Itália.    A pintura flamenga dos séculos XV e XV1 nos dá também uma perfeita amostra dos interiores como do mobiliário.    Os quadros de Van Eyck, Van der Weyden, Gerard David são excelentes fontes de informação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá querido (a) leitor, seu comentário é muito importante. Este espaço é seu. Lembre-se: Liberdade de expressão não é ofender. Vamos trocar ideias, as vezes podemos não concordar, é natural; afinal tudo depende da visão de cada um; mas respeitar é fundamental, isso é uma atitude inteligente. O que vale mesmo é a troca de informação e com educação. Por favor: Leia antes de fazer seu comentário, os comentários do blog são moderados, só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo, comentários anônimos não serão publicados, não coloque links de artigos de seu blog nos comentários, os comentários não refletem a opinião do autor. Espero que goste do blog, opine, comente, se expresse! Vale lembrar que a falta de educação não é aceito.