..

..

Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''  

sábado, 6 de agosto de 2016

Artes Plásticas - Renascimento - Por Wladimir Alves de Souza - Parte 13

Os italianos do Renascimento são criadores da " credenza " ou credência, espécie de armários baixos, bem como a cadeira dobrável em tesoura, chamada " Savonarola ", do nome famoso monge para quem foi criada.    Mesas esculpidas, grandes armários com colunas, cornijas, verdadeiras peças de arquitetura, os bancos-arca ( cassapanca ), às vezes com espaldar esculpido, tamboretes, camas monumentais, eis algumas das peças que guarneciam os palácios dos Strozzi e dos Medici, em Florença, no século XV.    Da Itália, o Renascimento vai levar as suas formas para toda a Europa.    A frança  vai importar os artistas e artesãos italianos no fim do século XV e no começo do XV1.    A " credenza " florentina vai tornar-se a " crédence " francesa, o " cabinetto " será o " cabinet " ( espécie de armário-escrivaninha ).    O mesmo se passa na Inglaterra no período da rainha Elizabeth 1, na Espanha de Felipe 2, no Império Alemão, nos Países Baixos ( Holanda e Bélgica ).    É daí que se vai originar a mesa feita em Portugal e no Brasil, mais tarde, que tomou o nome de " mesa  holandesa ".    É a partir do Renascimento ( século XV11 ) que se costuma rotular os estilos do mobiliário, como os da arquitetura.    É também no Renascimento que se começa a publicar livros  sobre os estilos de arquitetura, de decoração e mobiliário: são chamados " repertórios ".    No final do século XV1 ( perdoe-me pela falta do número um em algarismo romano, problemas no teclado ) e início do XV11 começa a despertar um novo estilo: o " Barroco ", de espírito completamente oposto ao do Renascimento.     As formas são livres e movimentadas, o mobiliário se enriquece com obra de talha dourada, representando personagens mitológicas, folhas de acanto estilizado ( planta já usada pelos gregos ), folhas de palmeira, conchas, etc.    A França assume a liderança das artes decorativas, com Luis X1V ( 1638-1715 ), o Rei-Sol, que quis celebrar sua glória construindo um castelo único no mundo: o castelo de Versailles.     Já os reis anteriores ( Francisco 1, Henrique 2, Henrique 1V, Luís X111 ) deram seus nomes aos estilos de seus reinados.    Para decorar e mobiliar Versailles, que conserva em sua arquitetura uma linha clássica o rei chama os maiores artistas do seu tempo, comandados pelo pintor Lebrun.    Muitos modelos e artistas italianos foram também utilizados, na execução de armários incrustados de pedras duras ou mosaicos.    Mas um grande criador francês, André-Charles Boulle, deu seu nome a um tipo de decoração de móveis ( mesas, armários, credências ), constituído por incrustações de tartaruga, marfim, cobre e bronzes cinzelados.     O luxo era tal que o mobiliário da famosa galeria dos espelhos era todo de prata cinzelada, em peças que posteriormente foram fundidas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário