x

x

Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''  

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Artes Plásticas - O Mobiliário Romano - Por Wladimir Alves de Souza - Parte 11 ( pausa )

Tal como os etruscos, seus antecessores na península itálica, os romanos tiveram na época republicana costumes severos e sóbrios.    Nada restaurou das peças de madeira, mas chegaram até nos numerosos exemplares de bronze, especialmente o material que se encontrou, no século XV111, nas escavações de Herculano e Pompéia.    O Museu de Nápoles conserva muitas dessas preciosidades.    Mas, a partir da era imperial, os costumes se corromperam, e os banquetes eram suntuosos, demorados e abundantíssimos.    Os nomes dos apreciadores da boa mesa nos são conhecidos, como por exemplo: Lucullus, os três Apicius, entre tantos.    Às vezes os banquetes reuniam apenas nove pessoas ( número igual ao das Musas, deusas das Artes ), mas também havia grandes banquetes, reunindo maior número, em leitos imensos.    Às vezes os leitos os leitos se ligavam em curva.    Eram chamados sygma.     Isso exigia enormes salões e vastas cozinhas, como um exército de escravos do serviço e cozinheiros.    O equipamento da mesa se completava com utensílios diversos: taças, ânforas para água, crateras para os vinhos, vasos diversos para óleos e condimentos.     O luxo era fabulosos e os banquetes se estendiam por várias horas, com vários serviços em inúmeros pratos, absorvidos na medida da gula dos convivas.     A decoração e o equipamento do triclínio era completado pelas diversas mesas, tripés, tocheiros de bronze.     Mas não era apenas no triclínio que os romanos viviam.    A sua sala de receber, o tablinum também era mobiliado com bancos, mesas de bronze em tripé.    Nas paredes, pinturas, afrescos, quadros, tecidos preciosos do Oriente completavam a decoração.    Os pisos eram revestidos de ricos mosaicos.     A casa nobre romana na cidade é o domus, e no campo a villa.     O gosto pelos mosaicos levou os romanos a alcançar a perfeição nessa arte.     Muitos documentos nos chegaram, principalmente, através das escavações em Herculano e Pompéia.     Mas talvez a obra-prima dos pisos em mosaico se encontre na Villa del Casale, perto da Piazza Armerina, na Sicília, onde estão magnificamente conservados.    A arte do mosaico teve grande desenvolvimento na Alta Idade Média, até o século XV, na área compreendida pelo Império Bizantino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário