Vou por onde a arte me levar.

Minha foto

'' GOSTO DE DEGUSTAR O GOSTO COM SABOR DE VIDA; COSTURO A VIDA PELA VIDA E A VIDA ME COSTURA, COSTURO DE DENTRO PARA FORA PARA ME ENCONTRAR COM O VENTO.''   

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Artes Plásticas - Gravura - por Wladimir Alves de Souza - Parte 3

Gravura em metal de Durer: A morte, o cavaleiro e o diabo.    A gravura em metal pode ser feita a buril ( instrumento bem afiado e de diversas formas ).    Nesse caso o buril abre um sulco no metal de acordo com o desenho que se quer imprimir.    Há também a gravura " a ácido ", processo mais complicado e que exige longa prática.    É chamado, em arte, de " água-forte ".    A placa de metal é bem polida de um lado, recoberta de verniz ou cera enfumaçada nas duas faces.    Na face polida, o artista grava com uma ponta bem afiada, mais ou menos profundamente.     Quando o desenho está terminado, a placa é mergulhada numa solução de ácido nítrico e água e deixada ficar durante o tempo necessário para o ácido atacar a superfície do metal, descoberta pelo desenho gravado.    Remove-se o verniz, cobre-se a placa com tinta de impressão, limpando-se a tinta.    Esta fica depositada apenas nos sulcos gravados.    Leva-se então a placa, junto com o papel, para uma  prensa apropriada e a tinta passa para o papel.     Os processos de gravura permitem a tiragem de vários exemplares e se tornaram um método de divulgação da obra de arte.    A gravura a água-forte é um processo " em cavo " e não " em relevo ", como a madeira.    Os artistas introduziram diversas variações na gravura, , como o " talhodoce ", feito diretamente na placa, a " água-tinta ", em que se cobre com o verniz apenas as partes que se quer deixar em branco e diversos outros.    Quanto a Litografia, pode-se dizer que é menos um processo de gravura, do que mais propriamente uma forma de desenho que permite  reprodução.   É um processo recente , que remonta apenas ao século 18 quando o alemão Sennefelder descobriu um tipo de pedra calcária especial, cujas propriedades estudou, pondo em prática um processo especial, desenhando com um lápis gorduroso " Litográfico ", refratário a água.    Pode ser feito de desenho a pincel com tinta litográfica diluída em terebintina.    Uma vez isto feito, aplica-se uma solução fraca de goma e ácido azótico.    Deixa-se secar e remove-se tudo, com água primeiro, e terebintina depois.    As partes marcadas com a tinta vão reaparecer depois, passando sobre a pedra molhada um rolo com tinta de impressão, e fazendo-se a impressão com uma prensa especial.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá querido (a) leitor, seu comentário é muito importante. Este espaço é seu. Lembre-se: Liberdade de expressão não é ofender. Vamos trocar ideias, as vezes podemos não concordar, é natural; afinal tudo depende da visão de cada um; mas respeitar é fundamental, isso é uma atitude inteligente. O que vale mesmo é a troca de informação e com educação. Por favor: Leia antes de fazer seu comentário, os comentários do blog são moderados, só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo, comentários anônimos não serão publicados, não coloque links de artigos de seu blog nos comentários, os comentários não refletem a opinião do autor. Espero que goste do blog, opine, comente, se expresse! Vale lembrar que a falta de educação não é aceito.